Top5 músicas que o Oasis não vai tocar hoje

Hoje a noite tem show do Oasis no Anhembi. Mesmo lugar que foi o show há 11 anos, que eu perdi por ser um fudido (que adolescente não é?) e não ter 50 conto pra ir. 

Hoje eu vou. Mais pra pagar a dívida de ir a um show do Oasis do que empolgação. Essa que diminuiu mais um pouco quando eu vi a setlist de hoje, ela praticamente não mudou do começo da tour pra cá. Acho que foi o Radiohead e suas playlists malucas e fodas que me deixaram mal acostumado.

Mas o fato é que a playlist perfeita pra mim seria a do show de 98. Também os caras só tinha 3 cds ótimos, não tinha como ser ruim.

Whatever, tudo é motivo pra um top5. Não é, Rob Flemming? 

5 – Sad Song

Música que só estava na versão em LP(!) do Definitely Maybe, album que emprestou o nome pro blog. E foi das primeiras músicas raras que eu encontrei na net, numa época em que existiam músicas raras, e você tinha que entrar no submundo pra acha-las.Por submundo entenda uma página porca na geosites.

Eles não devem tocar essa desde 1994, mas deixa eu sonhar!

4- Helter Skelter

Já que vão tocar cover dos Beatles, que seja Helter Skelter!

3-Little By Little

É, eu gosto de alguma coisa pós Be Here Now. Essa, alias, caberia muito bem no What’s The Story. Acho que logo antes de Morning Glory.

2- Cast No Shadow

Quase eu não coloco nenhuma do fodáximo ‘(What’s the history) Morning Glory’. O disco da minha década de 90. 

Essa é, certamente, a faixa mais injustiçada do album. Acabou ofuscada por Wonderwall, Don’t Look Back in Anger e Champagne Supernova. Mas também, que fase!

(E o que foi esse acústico de 96? O show perfeito do Oasis! Sem o Liam, acústico e com um setlist preciso!

E ainda tem o impagável fato do Liam ter se recusado a cantar por problemas na garganta e aparecer várias vezes tomando uma bela cerveja suada!)

1-Stand By Me

Como não existiam bandas emo na decada de 90 (oremos!) a gente recorria ao que tinha na mão na hora do desespero, tão banalizado quando se tem 16 anos.

Aí da-lhe cantar sozinho no quarto “Staaaaaaaaaaaaand by me, nobody knows, the way it’s gonna be!”

E toma de brinde o melhor clipe do Oasis. Da época em que se gastava dinheiro com produção de clipes, e a MTV tinha top 10, Sabrina e até música (veja você!), e eu não tinha dinheiro pra ir no show do Oasis!

Pra rebater:

A música que todos queremos e vamos ver, numa versão que pouca gente viu:

 

 —
Tô me sentindo velho depois desse top5.

Anúncios

Arte na Vila

Arte moderna

Arte Contemporânea

ps:  Talvez você esteja procurando a outra arte na outra Vila.

Vandalismo

Tava no carro ouvindo All I Need, meu novo vício, e pensando na vida. (Pensando daquele jeito que o radiohead te faz pensar. Nesse estado eu evito passar perto de postes, beiras de pontes e afins.)

Tava pensando em como as coisas que deveriam ser simples, foram ficando complicadas. Em como as pessoas foram ficando complicadas. Como eu fui ficando complicado. Em como a Meg Ryan, o Tom Hanks, e os comercias de margarina arruinaram a minha geração. Em como idéia de perfeição fez a gente esquecer o básico.

Tentei lembrar o que era esse tal básico, e não conseguia. Tentei concentrar tudo o que eu tava pensando, igualmente sem sucesso.

Aí eu olhei pro lado e vi isso:

amor_muro

It’s all wrong.

It’s all right.

It’s all right.

Just a fest: expectativas

É hoje, dia do suicídio coletivo na Chácara do Jóquei em SP. Até mesmo porquê você não coloca Los Hermanos e Radiohead juntos num dia cinza desses e espera que isso não tenha consequências.

Além de chutar que teremos uns 30 mortos, 120 desmaios nos primeiros acordes de creep, uns 10 coros de “Volta los hermanos”, 2 faixas “Camelo larga a Maluca e pegael”, 1 fã do Kraftwerk, eu também espero algo dos shows:

Los Hermanos

“Deixa o moço bater, que eu já cansei da nossa fuga”

Sou fã dos caras. Gosto muito mesmo das músicas, e acho que O Bloco do eu sozinho e o Ventura foram das melhores coisas que aconteceram na música brasileira na década. Acho, inclusive, que eles merecem um post próprio.

Mas eles já me encheram o saco. Tenho ouvido cada vez menos e todo o ego deles, a falta de algo novo, e os xiliques dos fãs xiitas me faz ter cada vez menos vontade.

Lá vai Camelo, de direita, é gol!

Lá vai Camelo, de esquerda, é gol!

E isso me faz esperar que esse show seja mais ou menos um encontro com velhos amigos de colégio. Aquelas pessoas que faziam parte da sua vida há anos, que você não podia viver sem. Ai você viveu sem. E quando encontra tem aquela nostalgia, dá aquele sorriso, tapinha nas costas, mas não é, nem de perto, a mesma coisa.

É assim que eu acho que vai ser o reencontro com o Los Hermanos: nostálgico.

Kraftwerk

“We are robots”

Os caras são os pais da música eletrônica, gênios da raça, fodões pra caralho, bla bla bla, mas eu nunca consegui ouvir uma música inteira.

Rickrolled again

Rickrolled again

E o  que eu espero do show?

Tunts tunts tunts piiiiiiiiiii]iiiiiiiiiiiiiiiiii

tunts, craaaaaaaack, tunts tunts

zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

-Já começou o Radiohead?

zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

Radiohead

“I’m a creep, I’m a weirdo”

Nunca fui fã do Radiohead. Eu acho que é pelo simples fato de eu nunca ter parado pra ouvir como se deve.

Resolvi ir ao show depois de um esporro que eu levei da mãe de um amigo:

Por mais que você não conheça, é uma puta banda no auge. Ou você vê agora, ou espera o dia em que eles estiverem com reumatismo e voltarem pra cá pra pagar o plano de saúde.

Tem como argumentar?

Sem gracinhas, zoar o Thom Yorke é mancada.

Sem gracinhas, zoar o Thom Yorke é mancada.

Depois de algumas críticas que eu li do show do Rio, e de ouvir os cds dos caras como se deve, eu espero um puta show. Eu espero Creep, All I Need e High And Dry.

E, principalmente, eu espero que o lexotan faça efeito.

____

Para ver: O clipe em flash que me fez parar pra ouvir Radiohead pela primeira vez na vida.

80 em 365

Depois de perceber que eu devo ter assistido apenas uns 20 ou 30 filmes no ano passado, eu me assustei. Isso é o tipo de coisa que te faz parar e pensar: “Que merda que eu to fazendo da minha vida?”. Se eu não gostasse de cinema tudo bem, mas eu adoro! Nessa eu resolvi fazer uma meta de ano novo diferente das tradicionais “emagrecer N kg”, “arrumar uma namorada” ou “ser uma pessoa melhor”, porque a gente sabe que eu não irei cumpri-las. Resolvi roubar um pouco e fazer uma mais fácil: 80 filmes em 365 dias.

Mas não é assim tão simples, são 80 longa metragens, inteiros,  com atenção exclusiva. Pode parecer fácil, apressado leitor, mas não é. Não depois de você ter se viciado em séries, e depois de se acostumar a fazer umas 300 coisas ao mesmo tempo. E não tendo uma namorada do lado (já reparam como casais assistem a qualquer porcaria? Eu, por ex., era submetido a altas doses de Meg Ryan sem reclamar!)

Quanto ao 80, ele parece um número razoável. E é! A conta foi a seguinte: mais ou menos 1,5 filme por semana, sussa não?

Nao! Tentando cumprir minha humilde meta entendi que não tenho mais tanto tempo livre, nem tanta paciência, muito menos vontade de sair da frente do computador, ou de sair de Liberty City (GTA iv ftw!), ou de não tomar uma cerveja com os amigos. Mas aos poucos eu vou tentando.

Então, estimado leitor, se você olhar pro topo deste humilde blog vai ver a tab 80 em 365. Lá eu vou colocar os filmes que eu vi e o link pro post que eu fiz sobre ele, se fizer um. E também a lista de filmes que eu pretendo ver. Sugestões de filmes (para se assistir, ou não), e convites pro cinema serão bem vindos nos comentários.

Top5: músicas de fossa [#NoF]

Como um bom seguidor de Rob Flemming faço minhas várias listas de top5. Por exemplo: Top5 garotas, Top5 músicas, Top5 garotas que consegui, Top5 músicas que vi ao vivo, Top5 garotas que não consegui, Top 5 musicas que não vi ao vivio, Top5 garotas numa ilha deserta, Top5 músicas em uma ilha deserta, Top5 garotas e músicas em uma ilha deserta… Bem ,você entendeu! O fato é, sempre que acontece algo diferente, ou me desafiam pra um top5 eu faço um.

Essa introdução toda é porque começou a rolar no twitter um top5 conjunto de músicas de fossa, e eu, obviamente, tive que entrar.

Tá, mas agora dá pra ir pro top5 ou tá difícil?

emofossa

"Porra.. É verdade, pensar em você é mó Kriptonita, Edcreuza..."

Ok, mas antes: o que é música de fossa?

Música de fossa é aquela que, quando você já é o mais miserável dos seres nas 3 galáxias mais próximas, te deixa mais miserável ainda. É aquela que quando você, Roberwaldo, acha que já esqueceu a Edcreusa(vaca!), e está todo pimpão ouvindo seu iTunes no shuffle, de repente ela toca. E você lembra. E dói. E Dói muito!

Dor é o ingrediente fundamental pra uma boa música de fossa.

Algumas vezes a dor vem numa agressão escondida, aquele soco no baço maroto, sem o juiz ver. Esse tipo te faz sofrer só pela letra. A música parece normalzinha, até alegre as vezes,  aí você, desavisado, pára pra ouvir a letra. E quando se dá conta, é tarde de mais…

Mas na maioria das vezes a agressão é pé no peito e soco na cara mesmo. São aquelas  músicas que começam mais tristes que marcha fúnebre, e aos poucos vão crescendo. Então começa a gritaria, e a cada grito parece que alguém tá tirando um pedaço da sua alma. A perda total se dá quando você, já totalmente tomado pela canção, começa a gritar junto… Essas são as verdadeiras músicas fossas, a música de fossa raíz, a música de fossa muleque!

E a maldita lista, pelo amor de George Lucas?!?!

Agora é só tirar os objetos cortantes de perto e ouvir:

5. Los Hermanos – Pois é

A música começa com um “Pois é, não deu.”, e podia acabar ali. Qualquer um numa fossa mais ou menos já se entrega na primeira estrofe. Desde a “A Tempestade” da Legião Urbana não se via tanta falta de esperança em tão pouco espaço.

4. Coldplay – Warning Sign

“And the truth is, I miss youuuu” – Tá bom Chris Martin, por que você não me dá um tiro de 12 logo!?!

3. The Cardigans – 03.45: No Sleep

O Long Gone Before Daylight é, sem dúvidas, o melhor album pra se ouvir no fundo do poço. Esse cd é uma ode à fossa! Mas entre músicas de raiva e depressivas essa se destaca.  É apenas uma Nina Person tão triste quanto você, cantando exatamente o que você tá passando. Não tem raiva, não tem paixão, nada. É triste e só.

2. Damien Rice – The Blower’s Daughter

Não bastasse a melodia, a letra, o filme que ela lembra, ainda nos lembramos das atrocidades que fizeram com essa música, pra aumentar a fossa. É isso aí! (Die Ana Carolina, die!)

Nível pé no peito: ***** (5/5)

1- Pearl Jam – Black

Tem tudo o que uma música de fossa precisa: começa triste, a letra pega, te joga mais pra baixo ainda, te dá raiva, tristeza  (tudo junto). E o mais importante dói, dói muito!

Antes de você se jogar pela janela, dá uma conferida na lista dos outros ilustres participantes desse top5 (e aproveita que tá lá e vê o blog inteiro, vale a pena! ;)): @deniscp, @joaopedroramos, @andreahiranaka, @adriiiana, @syferrari, @oimperador e há quem diga que a @subversiva e a @ladyrasta vão entrar tb…

One Last Thing

E não é que pediram um contra-feitiço no pacote?

O meu é esse.

O primeiro post a gente nunca esquece!

Bem vindo ao “Definitivamante Talvez!?” , “DefTal!?” pros íntimos, e se for bonita pode chamar de “Psiu” ou “!?” mesmo. Como vocês podem ver está tudo muito cru e provisório, mas é limpinho!

Aqui você vai encontrar as opiniões abalizadas de um programador sobre:

  • Música (de um cara que não sabe tocar nem Come as you are direito)
  • F1 (de um cara que nunca chegou acima da décima posição no kart)
  • Literatura (pelo menos tenho o segundo grau completo)
  • Futebol (eu era goleiro, por falta de opção…)
  • Nerd Stuff (nisso eu sou bom!)

… e outras coisitas mas. Mas prometo que nunca, nunca nada sobre programação!

É isso! Entre, leia, comente, assine o rss, e seja feliz.